Curitiba – Balneário Camboriú

Saí de Curitiba com destino a Joinville (já em Santa Catarina) sabendo que havia uma serra de 20 km (descendo) no caminho. Estava decidido a pedir apoio a concessionária novamente.

Felizmente, consegui e agradeci muito a Deus, pois a descida era bastante perigosa. A carona foi até mais do que esperava (60 km no total).

Aproveitei bastante o visual deslumbrante da Serra. Provavelmente, se estivesse pedalando não o teria feito, em razão da concentração na estrada.

Joinville é a maior cidade de Santa Catarina, com uma economia pujante. Também por isso há muitos caminhões na rodovia.

Naquele dia me senti intimidado pelos caminhões que passavam. Eles eram muito velozes e barulhentos. Sentia uma certa agressividade.

Mesmo com o acostamento ruim e muito sujo (cacos de vidro, pneu rasgado etc.) avaliei ser mais prudente pedalar ali do que na lateral da pista.

Para tentar evitar o fluxo de veículos, entrei logo no primeiro acesso à cidade. Pedalei com muita atenção e prudência. Deus me carregou nas costas e cheguei bem.

A cidade é bonita, com arquitetura no estilo alemão antigo. Há várias universidades, como a Univale, e grandes empresas de logística e plástico. Me pareceu moderna e acolhedora, mas não me atraiu tanto.

De Joinville fui até Penha, onde localiza-se o Beto Carrero, um grande parque de diversões, cheio de excursões.

Como já o conhecia, não fiquei tão entusiasmado a gastar uma pequena fortuna ali.

O mais bacana de Penha foi encontrar novamente o Mar, que tanto encanta meu olhar.

Estava frio e não havia quase ninguém na praia. O Mar era quase só meu.

Fiquei ali sentado na areia, pensando em quanto tempo não sentia aquela brisa, aquela sensação de pertencimento que nem eu entendo bem, mas que é muito cativante.

Não molhei nem os pés no Mar, mas estava imerso naquele clima. Ficar no Mar agasalhado era novidade pra mim e me lembrei do filme “Orca, a baleia assassina”.

A orla de Penha é bem extensa e termina no Rio Itajai – Acú. Para cruza-lo é preciso ir até a cidade de Navegantes e pegar uma balsa até Itajaí.

Itajaí é uma cidade com o mais elevado PIB de Santa Catarina. Possui o maior Porto do Estado e tem uma indústria naval bem dinâmica.

Foi legal ter visto isso bem de perto e me lembrei bastante da cidade de kobe, no Japão, que também tem um enorme Porto, com mais de 10 km de extensão.

De Itajaí segui para a badalada Balneário Camboriú, famosa por seus prédios altos e grandes festas.

Balneário é uma cidade com muitas opcões de alimentação, diversão e hospedagem.

Consegui um bom hotel (mais barato que o hostel que tinha visto) praticamente na beira Mar, o que me deu muito conforto.

Pela orla vi muitos idosos caminhando tranquilamente ou mesmo apenas parados olhando o Mar.

Peguei o famoso bondinho do parque unipraias e fui até a praia de Laranjeiras.

É um bom passeio, pois podemos ficar bem próximo da Mata Atlântica, bem preservada ali.Passei toda a tarde no alto do morro, contemplando as árvores e a vista panorâmica do Mar.

Tomei um cappuccino muito bom e fiquei ali imerso na natureza e em meus pensamentos.

Balneário é uma boa cidade, apesar de bastante elitizada. Acredito que foi o lugar onde vi as pessoas vivendo melhor. Evidentemente, estou falando daquele pequeno extrato que vi na orla.

Obrigado a todos que acompanham.